NIETZSCHE

"E aqueles que foram vistos dançando, foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música". "Vida sem música é um equívoco". NIETZSCHE

domingo, 21 de fevereiro de 2010

CLÁUDIO FONZI

CLÁUDIO FONZI E MICK BOX (URIAH HEEP)

CLÁUDIO FONZI E ANNIE HASLAM (RENAISSANCE)



Esta é uma matéria dedicada ao um dos maiores sábios da música progressiva de todos os tempos:
CLÁUDIO FONZI. Produtor musical, proprietário da Renaissance Discos (loja de discos, situada na Cinelândia, Centro do Rio de Janeiro:
Rua Alcindo Guanabara 17, Sala 1508 Edifício Teatro Regina
TEL: (21) 2524-0216 CEL: (24) 9218-2407), e produtor da extinta TRIBUNA FM de Petrópolis-Rj, e também responsável por um dos melhores programas de rádio, o TRIBUNA PROGRESSIVA, que ia ao ar toda 4ª feira.
Foi colaborador de diversos meios de comunicação relacionados à música progressiva, dentre eles o jornal METAMÚSICA, além de ter participado na produção do show da Annie Haslam, em sua primeira turnê no Brasil.
O texto abaixo foi uma de suas contribuições para o universo musical, na coluna intitulada Horizonte Progressivo, do site Whiplash: http://whiplash.net/materias/horizonteprogressivo/000215-yes.html

1972 - O APOGEU DO MOVIMENTO PROGRESSIVO

Historicamente definido como surgido no ano de 1967, o estilo denominado Rock Progressivo permaneceu por alguns anos restrito praticamente à Inglaterra, através de bandas como Pink Floyd, The Moody Blues, The Nice e King Crimson.

A partir de 1970, muitas bandas inglesas foram surgindo, mas em outros países continuava havendo uma representatividade muito pequena, com pouquíssimos lançamentos fonográficos.

O ano de 1972, porém, marcou o início da Grande Era Progressiva, com muitos lançamentos de altíssimo nível, não somente entre as bandas inglesas, mas também por diversas bandas de outros países, sendo que boa parte desses lançamentos pode ser considerada como a obra-prima de seus criadores.

Tais lançamentos proporcionaram também uma maior identificação do público em geral, o que terminou por posicionar vários discos Progressivos entre os mais vendidos.

Assim sendo, para ilustrar tais fatos com maior detalhe e abrangência, segue abaixo pequena relação, acompanhada de breve descrição das principais obras editadas naquele ano, começando pela Inglaterra:

Imagem
- "CLOSE TO THE EDGE": Praticamente uma unanimidade entre os fãs do YES, esta obra é admirada pela grandíssima maioria dos proggers e mesmo pelos não-apaixonados pelo estilo. Perfeito em todos os aspectos, é constituído por três maravilhosas sinfonias - "Close To The Edge", "And You & I" e "Siberian Khatru", todas de longa duração.

Este trabalho marcou também o apogeu da formação clássica dessa banda, constituida pelos geniais Jon Anderson (vocais), Steve Howe (guitarras e violões), Rick Wakeman (teclados), Chris Squire (baixo e vocais) e Bill Bruford (bateria), no que possivelmente foi o mais virtuoso quinteto surgido na história da Música.

A capa foi criada por Roger Dean, o mais importante capista Progressivo de todos os tempos. Em termos de vendas, obteve grande sucesso, atingindo pelo menos o 6º lugar nos EUA e o 9º na Inglaterra.

Imagem
- "TRILOGY": Outra quase unanimidade entre seus fãs, é o mais coeso trabalho do infernal trio EMERSON, LAKE & PALMER. Contendo um total de 7 faixas, têm como destaques a belíssima suíte "The Endless Enigma", a balada "From the Beginning" e a magistral adaptação da peça erudita "Rodeo" (do compositor americano Aaron Copland), que recebeu o título de "Hoedown".

No aspecto vendas, atingiu a 7ª posição nos EUA e o 8º na Inglaterra.

Imagem
- "THICK AS A BRICK": Indiscutivelmente, é a obra-prima da fantástica carreira discográfica do JETHRO TULL. Extremamente ousada para a época, esta obra se constituía em apenas 1 música, dividida em duas partes de mais de 20 minutos cada. Além disso, suas letras eram de uma audácia e ironia contundentes e sua capa (um verdadeiro jornal, com várias páginas, noticias de todos os tipos, horóscopo, palavras cruzadas, etc etc) de uma criatividade extraordinária.

Criada pelo absolutamente genial Ian Anderson (flauta, vocais e violão), contou também com a presença dos excelentes Martin
Barre (guitarra), Barriemore Barlow (bateria), John Evans (teclados), e Jeffrey Hammond (baixo). Tornou-se também um dos discos Progressivos mais vendidos até aquela época, chegando ao 1º posto nos EUA e pelo menos ao 9º na Inglaterra.

Na extensa carreira discográfica do Jethro Tull, foi lançado também nesse ano, o esplêndido album duplo "LIVING IN THE PAST", misto de coletânea com inéditas de estúdio e ao vivo e produzido com maravilhoso capricho, com capa dura estilo "livro" e várias folhas internas repletas de fotos coloridas. A despeito de ser duplo, atingiu o 4º lugar nas paradas americanas.

Imagem
- "FOXTROT": Este álbum contém, para muitos, a obra máxima do Rock Progressivo - a extraordinária suíte "Supper's Ready" e seus mais de 22 minutos. Repleta de variações melódicas e mudanças de tempo, é até hoje, uma das mais sofisticadas e imitadas obras da Música Moderna.

Contendo mais 5 excelente músicas, este album marcou a fase áurea do GENESIS (consolidada definitivamente no ano seguinte, com o lançamento de "Selling England by The Pound"), sendo que a formação era absolutamente brilhante, com Peter Gabriel (vocais e flauta), Steve hackett (guitarras e violões), Tony Banks (teclados), Mike Rutherford (baixo, violão, guitarra e vocais) e Phil Collins (bateria e vocais).

Imagem
- "PROLOGUE": Apesar de não ter tido o sucesso mundial das obras citadas acima, este é certamente um dos mais belos trabalhos da banda RENAISSANCE, tendo tido ainda o inigualável mérito de ter revelado ao mundo a angelical voz da "Musa Absoluta do Rock Progressivo", a cantora Annie Haslam.

Este disco marcou também o início da formação clássica da banda, completamente diferente da dos dois discos anteriores. Em "Prologue", os companheiros de Annie Haslam foram Jon Camp (baixo e vocais), John Tout (piano e vocais), Terence Sullivan (bateria e vocais) e Rob Hendry (guitarra, bandolim e vocais), além das participações fundamentais de Michael Dunford (composições), Betty Thatcher (letras), Jim Mc Carty (não pertencia mais a banda, mas contribuiu com duas belíssimas composições) e Francis Monkman (tecladista do CURVED AIR, fêz uma breve mas fantástica participação no sintetizador VCS3, na faixa "Rajah Khan").

Imagem
- "DEMONS AND WIZARDS" e "THE MAGICIAN'S BIRTHDAY": Respectivamente, 4º e 5º lançamentos do URIAH HEEP, estes álbuns representam o mais alto nível de qualidade que esta banda chegou, com a apresentação de um Hard Rock Progressivo dos mais brilhantes já vistos.

Com ligeira superioridade para "DEMONS...", ambos foram executados pela mais importante formação que a banda teve, incluindo o vocalista David Byron, o tecladista, guitarrista e vocalista Ken Hensley, o guitarrista Mick Box, o baixista Gary Thain e o baterista Lee Kerslake. As capas foram de autoria de Roger Dean.

Imagem
- "SPACE SHANTY": Único album da banda KHAN, é absolutamente espetacular, tendo marcado o alavancamento da carreira do guitarrista Steve Hillage, que daí partiu para integrar o GONG. Contou também com o talento do tecladista Dave Stewart, um dos líderes do EGG e que, posteriormente, esteve em bandas como o HATFIELD & THE NORTH.

- "SWADDLING SONGS": Único album do MELLOW CANDLE (muitos anos depois foi lançado a coletânea de inéditas "The Virgin Pophet"), é uma das jóias mais preciosas do Folk Progressivo, pois reúne melodias absolutamente encantadoras com belíssimos arranjos. Entre os músicos participantes, o destaque vai para as vocalistas Alison Willians e Clodagh Simmonds (que depois participou brilhantemente de OMMADAWN, obra-prima de MIKE OLDFIELD), o guitarrista David Willians e o percussionista Willian Murray (que também participou de OMMADAWN).

Imagem
- "LADY LAKE": 2º disco do GNIDROLOG, é sua obra mais brilhante, tendo seus pontos máximos nas fantásticas composições "I Could Never Be a Soldier" e "Ships". Entre seus membros, destaque para os gêmeos Colin Goldring (já famoso pela sua participação no clássico "THE YES ALBUM", tocava guitarra, sax, gaita e vocais) e Stewart Goldring (guitarra e vocais) e o multi-instrumentista Nigel Pegrum (flauta, bateria, oboé e piano), futuro membro do STEELEYE SPAN.

- "LIVE IN CONCERT WITH EDMONTON ORCHESTRA": Gravado no Canadá em 18 de novembro de 1971, este album marcou o ápice da carreira Progressiva do PROCOL HARUM, constituído por Gary Brooker (teclados e vocais), B.J. Wilson (bateria), Chris Copping (orgão), Alan Cartwright (Baixo) e Dave Ball (guitarra), que apresentaram-se acompanhados por Coral e Orquestra, realizando bela fusão entre as linguagens Rock e Música Erudita.

Aclamado pela crítica, obteve também grande sucesso de vendas, permanecendo por 20 semanas nas paradas americanas, e chegando a atingir o 7º lugar.

- "PHANTASMAGORIA": 3º album do CURVED AIR, não costuma ser considerado como sua obra-prima, mas foi de extrema importância por ter obtido excelente vendagem na Inglaterra (esteve entre os 20 mais vendidos) e confirmado a popularidade atingida pela banda quando do lançamento de seu 1º album, intitulado "Air Conditioning", de 1970. Além disso, foi o último disco de estúdio a contar com os geniais músicos Darryl Way (violino, teclados, percussão) e Francis Monkman (teclados, guitarra, percussão).

Como última boa caracteristica, a presença de duas canções magistralmente belas, "Melinda (More or Less)" e "Marie Antoinette" que revelaram, mais do que nunca, a belíssima voz da vocalista Sonja Kristina.

Outros trabalhos de excelente nível foram:

- "THREE FRIENDS": 3º album do GENTLE GIANT e um dos seus melhores.

- "WATERLOO LILY": 4º trabalho do CARAVAN e um dos seus melhores.

- "FIRST BASE": Fantástico 1º album da banda BABE RUTH. Infelizmente, nunca mais conseguiram repetir o feito, lançando apenas discos medianos ou fracos, sempre distantes do estilo Progressivo.

- "BODKIN": Excelente trabalho Hard-Prog da banda homônima.

- "RED SEA": 2º e excelente Hard-Prog do WARHORSE, banda que contava, entre outros, com o baixista Nick Simper (ex-DEEP PURPLE) e Ashley Holt (futuro vocalista da banda de RICK WAKEMAN).

- "FLASH" e "IN THE CAN": Respectivamente, 1º e 2º albuns do FLASH, banda que contou com astros como o guitarrista Peter Banks (líder do grupo, havia recém-saído do YES) e o tecladista Tony Kaye (outro recém-saido do YES, participou apenas do 1º album)

Imagem
- "ARGUS": A despeito de não ser um disco totalmente no contexto Progressivo, é uma das maiores obras-primas da história do Rock e merece ser aqui incluído. Nesta época, o WISHBONE ASH contava com sua formação original e entre eles estava o guitarrista Andy Powell, responsável futuramente pelo magnífico solo de guitarra na música "Ashes Are Burning" do RENAISSANCE e, como convidado, o tecladista John Tout, igualmente daquela banda.

- "BLACK SABBATH VOL. 4": Outro trabalho não totalmente Progressivo, mas com algumas faixas totalmente inseridas nesse contexto e uma qualidade geral absolutamente espetacular!!!

- "MADE IN JAPAN": Entre os discos ao vivo mais idolatrados do Rock, é um album duplo do Deep Purple, certamente o grupo de maior capacidade e ousadia, em termos de improvisos instrumentais, que já se viu na história do Hard Rock.

Tais improvisos eram extremamente longos, podendo chegar ao ponto de transformar músicas de 5 e 6 minutos em obras de mais de 30, como no caso das excelentes "Wring That Neck" e "Mandrake Root".

Para a turnê no Japão, porém, improvisos tão longos não aconteceram, pois alguns meses antes, o Purple havia lançado sua obra-prima, o magistral album "Machine Head", e por este ser puramente Hard, o caráter Progressivo dos discos e shows sofreu considerável redução.

Apesar disso, "Made in Japan", é um trabalho que contém os tradicionais e excelentes improvisos instrumentais e que, aliados aos brilhantes climas de teclados do mestre Jon Lord, permitem perfeitamente sua classificação como um trabalho de Hard Progressivo.

- "ELECTRIC LIGHT ORCHESTRA - NO ANSWER": Primeiro trabalho da banda homônima (também conhecida pela simples abreviatura ELO), cujo estilo se caracterizou por interessantíssima fusão de sonoridades puramente roqueiras com violinos e violoncelos sinfônicos. Em seu 1º album, além do futuro lider, o vocalista e multi-instrumentista Jeff Lynne, o ELO contava com a presença do também muilti-instrumentista Roy Wood, ambos ex-integrantes do THE MOVE.

- "MATCHING MOLE": 1º e homônimo album do grupo formado pelo baterista e vocalista Robert Wyatt após sua saída do SOFT MACHINE.

- "OBSCURED BY CLOUDS": a despeito de sua excelente qualidade, é um dos albuns menos Progressivos do Pink Floyd (apenas algumas faixas o são) e nesse artigo não deve entrar como destaque. Lembremos, porém, que todas as músicas do futuro clássico "DARK SIDE OF THE MOON" já haviam sido compostas e eram eram executadas na maioria dos shows que eles deram em 1972.

OBC Atingiu o 6º lugar nas paradas britânicas.

-"EARTHBOUND": Gravado ao vivo, possuía sofrível qualidade de gravação, sendo execrado pela maioria dos fãs do KING CRIMSON e pelo seu próprio lider, o guitarrista Robert Fripp. Hoje em dia, porém, após a excelente remasterização em CD, pode-se perceber que o show havia sido fenomenal.

Apesar da má qualidade sonora, chegou a se situar entre os 8 mais vendidos em 72 na Inglaterra.

-"DAYS OF FUTURE PASSED": Pois é, quem percebeu que a data original deste clássico dos THE MOODY BLUES não tem nada a ver com a desse artigo, está de parabéns.

Existe, porém, uma grande razão para que ele seja citado aqui e esta é a seguinte: no 2º semestre de 72, foi feita uma reedição nos EUA e esta obteve incrível sucesso de vendas, permanecendo por várias semanas nas paradas, tendo atingido, inclusive, o 4º e o 5º lugares por um bom período.

Este caso, além de ser bastante inusitado, mostrou muitíssimo bem o grau de pioneirismo desta obra, criada 5 anos antes, mas absolutamente à frente de tudo que havia sido feito até então.

No ano de 1972, os THE MOODY BLUES lançaram o album "SEVENTH SOJOURN", belo álbum de baladas, mas muito pouco ligadas ao Progressivo.

Imagem
- "CAMEL ON THE ROAD 1972": Outro trabalho que poderia não estar aqui incluso, pois só foi lançado 20 anos depois. De qualquer forma, serve muito bem para ilustrar o alto nível qualitativo que esta banda poderia atingir e também o quanto o cenário estava efervescente, com inúmeras bandas surgindo.

- "MIKE OLDFIELD": Outro exemplo para confirmar o comentário acima está no disco "TUBULAR BELLS", verdadeiro marco na concepção, execução e produção de um LP. O esmero em sua produção foi tão grande que o processo de gravação/mixagem e fabricação demorou mais de um ano e por essa razão acabou sendo lançado somente em 1973.

6 comentários:

rattleheadbrasil disse...

Bom dia meu amigo, eu sou o redator do Blog RATTLEHEAD BRASIL, o qual você leu a matéria sobre Claudio Fonzi, você pode postar a matéria aqui sim, só te peço para colocar um link do meu blog no final e meu nome como redator.
Podemos também, se assim desejar, trocar links para divulgação de ambos os blogs.
GRANDE ABRAÇO!

faustodevil disse...

Olá meu caro Rattleheadbrasil,

Houve um equívoco quanto ao comentário em seu blog, relativo à matéria sobre o Fonzi. Eu pedi permissão a ele para postar em meu blog a matéria 1972-O APOGEU DO MOVIMENTO PROGRESSIVO, porém ele me enviou o link de seu blog dizendo que você tinha feito uma ótima matéria, e que eu fizesse um comentário. No entanto, eu publiquei o comentário errado, o que gerou esta confusão. Queira desculpar-me.
De qualquer forma, tudo isso serviu para que nos conhecêssemos. É uma honra para mim fazer parceria com seu blog, que é de excelente qualidade.
Já adicionei o seu blog na lista de blogs parceiros do HOFMANNSTOLL.
Estou à disposição para que possamos formar parcerias. Fique à vontade caso queira utilizar quaisquer postagens do HOFMANNSTOLL.

Um forte abraço!

Faustodevil

Fred Benning disse...

Aê Faustodevil vc tambem ja esta linkado la no Woodstock. O lance é esse, divulgar cada ves mais essa musica fantastica. Valeu meu irmão!

Um grande e forte abraço

Aurêh disse...

É, o Fonzi sempre foi um grande guerreiro erguendo a bandeira da música progressiva.
Criei o Tribuna Progressiva e o convidei p participar na produção comigo; ele também colaborava com a discografia do programa que ficou 4 anos no ar. Bons tempos.

Abraços sonoros!

Marco Aurêh

Aurêh disse...

É, o Fonzi sempre foi um grande guerreiro a erguer a bandeira da música progressiva.
Criei o Tribuna Progressiva e o convidei p participar na produção comigo; ele também colaborava com a discografia do programa que ficou 4 anos no ar. Bons tempos.

Abraços sonoros!

Marco Aurêh

faustodevil disse...

Saudações Aurêh,

O TRIBUNA PROGRESSIVA figura em minha vida como um sonho mágico. Representou um grande salto para o meu conhecimento sobre o gênero. Lembro-me que tínhamos (eu e meus amigos Cabelinho, Kaku e Ismael) quase todos os programas gravados em fita K7; mais de 90%.
A saudosa rádio TRIBUNA (Petrópolis) marcou muito em nossas vidas.
É com intensa saudade que lembro das apresentações, com seus textos elucidativos e sua belíssima voz, cujo tom era extremamente suave e cativante - digno de um cantor experiente e inspirado.
Aliás, sou um grande fã de seu trabalho como músico, principalmente enquanto integrante e fundador da grande banda de música progressiva LUMMEN.
Eu tenho o grande prazer de parabenizá-lo e agradecê-lo pelo programa TRIBUNA PROGRESSIVA e por todo seu trabalho como músico.

Forte abraço, e seja muito benvindo ao Hofmannstoll.

Faustodevil