NIETZSCHE

"E aqueles que foram vistos dançando, foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música". "Vida sem música é um equívoco". NIETZSCHE

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

MIRTHRANDIR-FOR YOU THE OLD WOMEN-USA 1976



Mais uma vez tenho o prazer de apresentar outra grandiosa banda neste blog: Mirthrandir. Trata-se de mais uma pérola perdida nas entrelinhas do cenário progressivo setentista.

Eu já me atrevi a colocar álbuns como Voci, do Luciano Basso, Four Moments, do Sebastian Hardie, ou Czar, da banda homônima, como grandes álbuns da música progressiva. Neste momento, sem a menor sombra de dúvida, tenho o prazer de incluir For you the Old Women dentre os clássicos imortais da música progressiva.

Esta banda sensacional lançou este, que é seu único e grandioso álbum, como uma obra repleta dos mais finos ingredientes. Encantam logo na primeira faixa, com uma louca introdução desnorteante, que supõe certo descontrole devido a aparente falta de definição do verdadeiro objetivo a ser alcançado, fazendo referências a diversos estilos e bandas. Mas é impressão passageira, pois são inúmeros temas complexos, que apesar de aparentemente desconexos, tomam um rumo surpreendentemente magnífico, servindo de introdução ao tema central que é o descarrego de emoções profundas que resultam numa melodia profundamente angustiante. Com o passar do tempo, percebemos que tudo está sob controle. Entramos em uma calmaria reflexiva, introdutória ao clima ainda mais angustiante que está por vir. Percebemos então a verdadeira intenção do tema - numa mistura de genialidade e perfeição, destilam o máximo que se pode expressar através da arte musical. É a eclosão da magistral melodia, que é explorada ao máximo pelo vocal, que incorpora o clima de forma monumental, com desempenho extremamente dramático; que chega a lembrar a atuação de Peter Hammil no álbum Still Life (1976), do Van Der Graaf, principalmente na última faixa. As guitarras transmitem a angústia na mesma sintonia do vocal; baixo e bateria, afinadíssimos, num acompanhamento instrumental completo e perfeito, cheio de tons e temas únicos dos teclados e órgão, com texturas incrivelmente bem trabalhadas, para uma perfeita sincronização com o todo. Tudo na sequência de uma melodia de beleza e inspiração emocionantes e indizíveis.

Numa “tola” comparação com Gentle Giant, já que carregam influências desta banda de genialidade notória, eu diria que o Mirthrandir, por vezes, chega a ser superior - me arrisco a dizer isto, ciente de que é passível de controvérsias -, pois, diferentemente da citada banda, eles exploram as frases musicais por um tempo relativamente mais duradouro, ou seja, não nos deixando com aquela sensação estranha de que cada passagem deveria durar mais tempo, como é típico do Giant - que compunha incríveis frases musicais alucinantes, mas só nos presenteava, muitas vezes, com passagens fugazes.

Mirthrandir é uma banda completa, que sabia exatamente o que estava fazendo, com total controle da dosagem das emoções, sem poupar excelência na execução dos temas centrais de cada faixa. E todas as faixas trafegam por ritmos e tons impressionantes e personalizados, culminando em desempenhos incríveis e composições inspiradas e complexas. O álbum fecha com uma rara peça de pouco mais de quatorze minutos, em que a banda deixa sua marca registrada, trafegando por caminhos clássicos da música progressiva, com suas diversas possibilidades.

Este é um perfeito exemplar de que música de qualidade, de quaisquer estilos, não tem nacionalidade. Os americanos, normalmente, são vistos como pouco expressivos em sua representação do estilo progressivo. Podem não ser muitas as bandas significativas oriundas deste país, porém, este álbum demonstra que não necessariamente é preciso ter sangue alemão, inglês, italiano, ou quaisquer outros para a concepção de uma obra de música progressiva de qualidade. O Mirthrandir é americano e lançou este álbum que é uma obra perfeita, e que os coloca, irremediavelmente, no mesmo patamar das grandes bandas européias, apesar de um único álbum lançado.

Não posso deixar de dizer que esta é uma das mais belas e completas obras que já ouvi.

01-For You The Old Women

05-For Four

MÚSICAS:

1. For you the old women
2. Conversation with personality giver
3. Light of the candle
4. Number six
5. For four

MÚSICOS:

Robert Arace / drums
Richard Excellente / guitar
Simon Gannett / keyboards
James Miller / bass, flute
Alexander Romanelli / guitar
John Vislocky III / vocals, trumpet

LINK:

http://www.multiupload.com/MHFFCHIZ3H


6 comentários:

Dead or Alive disse...

vcs me provocam, já roubei um do Jake Lee e postei, vivo tentando mas o impulso é maior (Acho que lobos tem impulsos de gatunos isso sim) e ao ver algo assim não dá outra arrasto mesmo pra alcatéia, não se espante de ver devidamente estampanda lá qqr hora dessas heim?
Claro com os devidos créditos o que não muda em nada a cara de pau lupina, mas deixa mais delicado o furto,rs
EnjoY!!!!!!!!!

faustodevil disse...

Fala Dead,

Muito bom ter você por aqui, meu chapa.
Cara, tudo que está aqui no Hofmannstoll é de domínio público. Tudo, álbuns, imagens e textos, são para a todos.
Você pode usar o que quiser daqui. E se usar, nem precisa me comunicar. Será sempre um prazer ter alguma influência nas postagens do magnífico SOM MUTANTE.

Um grande abraço e muita paz!

Faustodevil

Fred Benning disse...

Fala Fausto!
Sempre muito boas as suas postagens.
Parabéns cumpade!

Abração

faustodevil disse...

Saudações Fred,

Que bom ter você por aqui, meu amigo!
Muito obrigado pela visita e pela gentileza.

Um grande abraço!

Faustodevil

Le grand grotesque circus disse...

realmente...baixei a banda e achei um dos melhores albuns de progressivo que já ouvi.....excelente!

Le grand grotesque circus disse...

excelente banda....fiz o download e não me arrependi.Uma das melhores bandas de prog que já ouvi.