NIETZSCHE

"E aqueles que foram vistos dançando, foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música". "Vida sem música é um equívoco". NIETZSCHE

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

BACHDENKEL-LEMMINGS-INGLATERRA-1970






Depois do longo período de abandono do Hofmannstoll, apresento esta postagem e a dedico especialmente a Diego, grande amigo e fiel admirador do Bachdenkel.

Um álbum marcante por sua incríveis conexões futuristas. A banda estava bastante à frente de seu tempo, como estiveram outras poucas daquele período. A união de forças do trio baixo, guitarra e bateria se apresenta como fator essencial para a concepção de desta obra extraordinária. É impressionante a capacidade desses músicos de conceber com tanta precisão o arcabouço necessário para dar vida e alma a este álbum autêntico e excelente, carregado de emoções plenas e marcantes. Um álbum que marca muito mesmo, tanto pela energia pulsante do instrumental quanto pela veia lírica que permeia a essência das faixas.

Os integrantes se permitiram captar sentimentalismos, sintetizando-os nas entrelinhas de suas canções, como que aprisionados numa linhagem de sons quase obscuros que, entretanto, se apresentam como exemplares da beleza ímpar que a música pode proporcionar.
Os caras conseguem transitar pela atmosfera progressiva com tanta naturalidade, que tal fato lhes rendeu a classificação dentro deste gênero. Não caberia aqui uma discussão em torno do assunto, entretanto fica o registro de um questionamento, principalmente quanto a própria estrutura das músicas (talvez não tenha sinais tão claros de que os caras tinham a pretensão do estilo progressivo em mente). Sem dúvida há um forte apelo psicodélico progressivo do período sessenta/setentista.

A primeira faixa é um culto à tristeza mórbida (Radiohead e Nick Cave provavelmente devem ter se nutrido dessa fonte); uma espécie de personificação da melancolia, beirando o desespero e a aniquilação total de todas as esperanças. Mas nem tudo parece estar perdido; o final guarda uma agradabilíssima surpresa.

O tema extremamente agressivo e carregado de melancolia da faixa An Appointment With the Master demonstra o potencial criativo e inspirado dessa banda genial. A faixa discorre através de um clima tenso, impecavelmente harmonioso, como que num galope de uma marcha contínua, incansável e insistentemente magnífica.
Todo o álbum tem faixas maravilhosas e muito interessantes. A versão que apresento conta ainda com seis faixas bônus que valem muito à pena.

A banda ainda lançou Stalingrad (1975-1977). Um bom álbum que, apesar de ter tudo diminuído, em relação a este, manteve as qualidades essenciais da banda.








Line-up / Musicians:

- Colin Swinburne / guitar, organ, piano, vocals
- Peter Kimberley / bass, piano (2), vocals
- Brian Smith / drums
- Karel Beer / organ (7)


Track List:

1. Translation
2. Equals
3. An Appointment With The Master
4. The Settlement Song
5. Long Time Living
6. Stranger still
7. Come All Ye Faceless


Bonus tracks:

08-The Slightest Distance (from EP Lemmings, 1978)
09-Donna (from EP Lemmings, 1978)
10-A Thousand Pages Before (from EP Lemmings, 1978)
11. Through The Eyes Of A Child (unreleased single, 1969)
12-An (other) Appointment With The Master (1973 version)

13-Strange People (unreleased single, 1968)


LINK:

2 comentários:

bobbysu disse...

thank you so much

Diego Andrade disse...

Esse álbum é mais uma das grandes contribuições do maravilho blog Hofmansfoll. Obrigado irmão Robert por mais essa pérola e, principalmente, por nos prestigiar com sua dedicação, sapiência e carinho. Forte e saudoso abraço!